Cenas de pai e filho

Picture1

Em primeiro lugar, convém dizer que não tenho a intenção de criticar ninguém. Cada um vive a vida como quer e educa os filhos à sua maneira e de acordo com as suas convicções – desde que não lhes incuta racismo, xenofobia, homofobia e outros distúrbios semelhantes (sim, usei a palavra distúrbios), por mim está tudo ok. Não estou aqui a julgar ninguém, quero apenas falar-te das minhas escolhas enquanto pai.

Custa-me passar tempo com o Mateus em frente à televisão. É uma actividade essencialmente vegetativa e, apesar de haver coisas que claro, gosto de ver, acho que tem de haver um equilíbrio. Especialmente na idade do Mateus, é importante ele experimentar diversos tipos de actividade, coisas que lhe desenvolvam as capacidades motoras, intelectuais e criativas. E não tenho vergonha nenhuma em admitir que eu próprio me divirto nessas actividades.

Vou dar-te um exemplo. Há uns tempos escrevi um artigo sobre os desenhos do Mateus, ao qual chamei “Mateus, o Jackson Pollock da Aguarela“. Lembras-te? Foi uma brincadeira, mas dessa brincadeira surgiu uma ideia. Bem, a ideia não original minha, acho que parte veio de memórias do secundário (estive no agrupamento de Artes e há coisas que ficaram), parte veio de coisas que vejo na net. De onde quer que tenha vindo a ideia, meti mãos à obra, porque sou um gajo que mete as mãos à obra.

Arranjei umas quantas telas, umas tintas daquelas que são seguras prós putos (laváveis em água e que podem tocar na pele), e dei ao Mateus. Juntos, espalhámos tinta pela tela, sem a pintar realmente. Ficaram quase que pequenas poças, consegues ver o relevo nas fotografias? Depois, agarrámos num saco de plástico, tapámos tudo, e remexemos. O resultado final é qualquer coisa de extraordinário.

Para o Mateus, foi magia. Para mim, foi uma tarde bem passada com o meu filho, foi arte a ser criada em conjunto, foi… olha, foi magia também.

OK, e uma sala toda suja de tinta. Também foi isso, mas isso já faz parte.

Imagem2 Imagem3 Imagem4 Imagem6 Imagem5 Imagem7

5 Comment

  1. Joana Santos says: Responder

    Tarde bem passada com o teu filho , e que ninguém diria que essas telas, teriam sido feitas por vos. Dou-te desde já os meus parabéns pois estão excepcionais! Mas tem cuidado pois se algum artista plástico te vê as telas ainda te as quer 😉

  2. Olá!
    Adoro esse tipo de actividades. Nunca se perde tempo a fazer algo criativo seja isso o que for.
    Como miúda também de Artes, tenho que dizer que essas telas estão tão lindas que acho que o Picasso até já está com inveja!
    Já me deste um dica para experimentar.

    E se algum dia abrirem uma galeria ou fizerem uma exposição, contem comigo! = )

    Beijinhos
    Eva

  3. Opá tão giro que ficou! 😀
    É uma atividade gira mas confesso que, não tendo quintal, essa atividade não seria a primeira escolha para fazer com as minhas filhas na sala. 😛

    Mas que ficou o máximo ficou!

  4. Luisa Silva says: Responder

    Olá Diogo, as telas estão fantásticas eu adoro a que está em tons de azul, ela ficava lindamente numa das paredes da minha sala (eu estou a brincar). Eu como trabalhei durante muitos anos num infantário lá também faziamos muitas vezes esse tipo de actividades com as crianças, chegamos a fazer uma exposição com as telas feitas por eles, é uma actividade espectacular e que eles adoram.
    Beijinhos lindo.

  5. Catarina says: Responder

    Adorei!
    Em primeiro lugar o fazer “cenas de pai e filho” acho de louvar os pais passarem mais tempo de qualidade com os filhos (qualidade sim, este tipo de actividades) e depois adoro as telas! A ideia é muito boa e ainda se ganha umas peças de decoração originais e super giras! Muito bom, tantos pais que deviam acompanhar este espaço!

Deixe uma resposta