Mateus, o Jackson Pollock da Aguarela

d1

Dizem que Pablo Picasso criou o Cubismo porque queria voltar a pintar como as crianças. Agora começo a perceber o porquê. O meu filho adora desenhar, e começo a perceber que provavelmente tenho um vândalo ou um artista em desenvolvimento em casa. Não fica muito atrás de Picasso. O estilo é claramente Surrealista, especialmente na representação da figura humana (ou serei eu que interpreto uma espiral e alguns dos rabiscos como tal?), mas passa horas com o marcador na mão a massacrar folhas de papel com aquilo a que certamente estará dentro de alguns anos exposto no MET a ser observado por críticos de arte e turistas de Instagram em punho.  Acreditem, o puto ou percebe muito de arte ou é especialista em gatafunhos.

Aquilo que mais me assusta é uma secreta terceira opção, aquela em que o meu filho é na verdade um decorador de interiores in the making. Agora, não planeio de todo ofender os decoradores de interior, mas temo pela integridade física das paredes brancas da minha casa. São uma tela incrível para um artista em desenvolvimento: especialmente um que ainda não desenvolveu correctamente um sentido estético de escala cromáticas. Ou degradé. Acho que muito em breve vou chegar a casa e ver uma obra de arte milionária (dá-lhe algum tempo) na parede do quarto, assim ao estilo de um Jackson Pollock em aguarela.

Ser pai também é isto. É ver o filho crescer enquanto pessoa, explorar, descobrir. O processo muitas vezes não é propriamente limpo, mas é incrível de se observar. Todas as crianças são potenciais artistas e o mundo precisa de artistas, tanto quanto precisa de médicos, matemáticos ou professores. Cabe-nos a nós, enquanto pais, alimentar essa veia e deixá-la correr. Ou então agarrar num pincel e passar umas demãos de tinta, e nunca mais falar no assunto.

Acho que um dia destes chego a casa e tenho Foz Coa na parede da cozinha. E vou lembrar-me e proteger esse momento, enquanto pai e amigo, para o resto da minha vida.

1

4 Comment

  1. Olá!
    O Mateus é cá dos meus. [A intenção não era rimar mas fica o registro.] Lol.
    Vejo com cada obra de arte como professora que concordo completamente contigo.
    E fico feliz por saber que fazes parte do grupo de pessoas que acredita em dar liberdade aos miúdos para explorar.
    É melhor te certificares que quando ele souber escrever, assine todo o portfólio. Efeitos de autentificação para futuras galerias e compradores privados. LOL = )>

    Beijinhos
    Eva Araújo

  2. Luisa Silva says: Responder

    Olá Diogo, as crianças com a idade do Mateus começam e gostam de explorar, e pintar paredes cortar mexas de cabelo ou até por mais estranho que pareça comer lápis de cor faz parte do seu desenvolvimento, de criar e explorar eu falo por mim por mais irritada que me deixasse ver o meu filho a pintar as paredes ou a escrever com marcador na tv ou nas paredes deixava-me feliz principalmente quando eu lhe perguntava o que era, e ele com o seu ar inocente dizia que era a mama e o papa entre outras coisas. E o que é certo é que quando pintei a minha casa nao tive coragem de tocar naquela parede onde ainda hoje as sua “obras” lá estão, talvez daqui a dois ou três anos consiga.
    Lembra te que nós pais e mães somos os fãs nº1 dos nossos pimpolhos.

  3. Luisa Silva says: Responder

    BEIJINHOS PARA TI E PARA O LINDO ARTISTA MATEUS!!!

  4. […] um exemplo. Há uns tempos escrevi um artigo sobre os desenhos do Mateus, ao qual chamei “Mateus, o Jackson Pollock da Aguarela“. Lembras-te? Foi uma brincadeira, mas dessa brincadeira surgiu uma ideia. Bem, a ideia não […]

Deixe uma resposta