O imaginário dos filmes de animação

filmes de animação

Os filmes de animação são um fenómeno que facilmente conquista as crianças mas também os seus pais. Confessa, deixaste cair uma lágrima quando viste o Toy Story 3, aos 30 anos. Arrastaste o teu filho para o último filme da Pixar, e gostaste mais tu do que ele. Não vale a pena esconder, acontece a todos.

Como muita gente da minha geração, o Rei Leão marcou a minha infância e despertou em mim uma paixão enorme por este tipo de filmes, paixão essa que se mantém até aos dias de hoje. Quem diz que os filmes de animação são só para crianças, não sabe do que está a falar… E agora que sou pai, esta paixão reacendeu-se com força redobrada. A ideia de poder partilhar este interesse com o meu filho, e vê-lo vibrar e comover-se com estas histórias, deixa-me em pulgas. Estou a contar os dias até poder sentar-me no sofá com o Mateus a ver o Rei Leão.

E com isto deixo uma sugestão: visitar o Museu do Oriente nos dois próximos domingos, para ver dois dos filmes de Hayao Miyazaki, o realizador japonês.

Acho interessante a forma como cada cultura interpreta o imaginário infantil – a diferença entre os filmes ocidentais e orientais é notória, especialmente se olharmos para as obras-primas deste homem. Ao contrário da maioria dos filmes da Disney (de que também sou fã, atenção) em que a luta entre o bem e o mal é clara, em que as personagens se dividem em protagonista e antagonista e os primeiros são perfeitos em todos os sentidos e os últimos são maus como as cobras (como se isso existisse na vida real), nos filmes de Miyazaki tal não acontece. Na maioria dos casos, as personagens são dúbias, ambíguas, complexas. Em vez de um mundo pintado a preto e branco, temos vários tons de cinzento. E isso pode ser interessante de explorar. E pode ser interessante fazer os nossos filhos pensar um pouco sobre estas questões, ainda que de forma leve, como só um filme de animação consegue fazer.

filmes de animação

21 de Agosto – As Asas do Vento M/12

28 de Agosto – Memórias de Marnie M/12

1 Comment

  1. Olá!
    Fizeste-me lembrar a minha infância!
    O Rei Leão foi o primeiro filme que vi no cinema. O meu pai ainda guarda os bilhetes como recordação.
    Concordo com tudo o que escreveste. até porque durante um fase da minha vida prestei muita atenção à animação Japonesa e mesmo como adulta, não resisto a ver e rever alguns dos meus filmes preferidos. É fácil olhar para o género e pensar que é tudo branco e preto mas tens toda a razão quando dizes que as personagens são muito mais complexas do que isso.
    Pessoalmente, adoro animação! A qualidade da animação Japonesa é notória na enorme industria que foi criada à volta dela, mas nem a Disney, nem a Pixar, desiludem. São igualmente excelentes.

    … acho que vou ver o Rei Leão porque depois de ler o teu post, fiquem com vontade!

    Beijinhos
    Eva

Deixe uma resposta